| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Folha do Delegado
Desde: 12/01/2011      Publicadas: 2101      Atualização: 14/12/2013

Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS


 ARQUIVO POLICIAL

  26/05/2011
  0 comentário(s)


O crime praticado por Gilberto Amado

No dia 20 de junho de 1915, tarde de sábado, um incidente doloroso causou a mais profunda impressão na população do Rio, então capital federal. O triste caso ocorreu à entrada do Jornal do Comércio, entre o deputado federal Gilberto Amado e o literato Aníbal Theófilo, no instante em que no salão do dito jornal realizava-se uma festa literária.
*Fotografia de Gilberto Amado

O crime praticado por Gilberto AmadoO Crime praticado por Gilberto Amado



15. Gilberto Amado-Aníbal Theófilo. O crime (*)
Acrísio Torres


No dia 20 de junho de 1915, tarde de sábado, um incidente doloroso causou a mais profunda impressão na população do Rio, então capital federal. O triste caso ocorreu à entrada do Jornal do Comércio, entre o deputado federal Gilberto Amado e o literato Aníbal Theófilo, no instante em que no salão do dito jornal realizava-se uma festa literária.

Estava presente grande número de intelectuais. Durante a festa o poeta Aníbal Theófilo repelira o cumprimento de Gilberto Amado, que, no final, por intermédio do advogado Paulo Hasslocker, pedira satisfações pelo ato de incivilidade. Não só negou-se a dá-las, o poeta, mas fez referências desabonadoras ao ofendido.

Então, Gilberto Amado desfechou três tiros de pistola contra Aníbal Theófilo, sendo este prostrado ao solo por um dos projéteis, que atingira a nuca da vítima. Tombara morto o poeta gaúcho. Gilberto foi preso em flagrante, e recolhido ao quartel da brigada policial. Número considerável de amigos, deputados e senadores, passou a visitá-lo, lamentando o infeliz incidente. Por outro lado, o enterro de Aníbal Theófilo, no Cemitério de São Francisco Xavier, teve numeroso acompanhamento, falando à beira do túmulo Alcides Maia, Flexa Ribeiro e Vicente Souza. Logo depois a Sociedade dos Homens de Letras constituíra o advogado Bernardino Bandeira para, como representante da família do morto, acompanhar o processo. Coelho Netto, na ocasião, fez amargas censuras a Gilberto, censuras injustas, aliás, enquanto literatos e jornalistas dividiram as opiniões dos jornais cariocas.

Há tempos havia entre Gilberto e Aníbal, uma irreconciliável discórdia. Muitas vezes Gilberto sofrera agressões de Aníbal, de quem sempre temera. No seu depoimento diz que, certa vez na redação de Careta, não só o poeta recusou apertar a sua mão, mas disse: "Sai, senão cuspo-lhe na cara". Não chegou a cuspir na cara de Gilberto, mas fê-lo no solo escarnecedoramente. Leal de Souza e Bilac Guimarães presenciaram o fato e o reafirmaram em juízo. Gilberto confessa haver deixado, envergonhado, a redação de Careta. Nunca antes havia sofrido humilhação tamanha. Não pudera, nunca, mesmo, compreender as desfeitas de Aníbal, que sempre admirara. Na opinião geral, não passavam de "coisas de literatos". No entanto, continuaram os escárneos e as humilhações de Aníbal Theófilo ao jovem literato sergipano.

De outra vez, a propósito da derrota de Gilberto Amado para ingressar na Academia Brasileira de Letras, Aníbal lhe dissera na face: "A Academia não quer, dentro dela, covardes e bandidos!". Humilhações assim teriam um trágico desfecho, no salão da Hora Literária, realizada no Jornal do Comércio. No salão de conferências, sentado ao lado de Alberto de Oliveira, Gilberto foi avistado por Aníbal, que passou a ameaçá-lo. Terminada a festa literária, as provocações de Aníbal continuaram, enquanto a mulher de Gilberto lhe pedia calma. Gilberto talvez estivesse disposto a suportar passivamente mais um insulto, quando Paulo Hasslocker lhe disse: "Gilberto, um homem não suporta isso! Meta a bengala neste bandido". Gilberto respondeu: "Paulo, nunca tomarei atitude contra inimigos desta ordem!". Não importava a Gilberto Amado o juízo que dele fizessem, na sua atitude de passividade ante as agressões de Aníbal Theófilo. Nada tendo feito a Aníbal, preferia desprezá-lo sempre, a brigar com ele. Não há negar que Gilberto sentia vergonha de si mesmo, mas sua disposição era de resignação e sacrifício próprios. Para ele, isso era necessário à sua família, mulher e filhos. Nada disso demoveria Aníbal de seus intentos, pois este o aguardava no andar térreo, em atitude de agressão. Procurou uma saída pelos fundos, mas Aníbal o tolhera. Encaminhando-se para o agressor, Paulo Hasslocker teve de recuar a um golpe de Aníbal. Nessa ocasião, sentiu Gilberto que sua desonra e desgraça precisavam de limites, e, conforme declarou no depoimento, sentira que, dentro dele, qualquer coisa de estranho, de confuso, lhe tomara a consciência. Matara Aníbal Theófilo (**).

(*) Do Livro "Cenas da Vida Sergipana, 2 " Acrísio Torres " SERGIPE/CRIMES POLÍTICOS, I", Thesaurus Editora, prefácio de Orlando Dantas, páginas 61/63.

(**) "... Aníbal Theófilo, assassinado covardemente pelo deputado Gilberto Amado, que, por isso, foi promovido a senador". Humberto de Campos. Diário Secreto, I, Quarta-feira, 4 de abril de 1928.


Adendo do Blog de Clóvis Barbosa:

Poemas do poeta Aníbal Theófilo

Súplica

A provar que hei perdido a segurança
Desde, Senhora, que cheguei a ver-vos,
Ao juízo recusam-se-me os nervos,
E sucede-me insólita mudança.

Tremo por mim, pesar que a linda e mansa
Face vossa me induza a vir dizer-vos
Esta infinita insânia de querer-vos
E na alma quanto sinto de esperança.

Apiedai-vos de mim, cuja loucura
Em toda parte só divisa abrolhos
Depois de ter o olhar de leve posto
Em vosso airoso talhe, em vossa alvura,
Nas duas noites que mostrais nos olhos,
Nas duas rosas que trazeis no rosto.


Cegonha

Em solitária, plácida cegonha
Imersa num cismar ignoto e vago,
Num fim de ocaso, à beira azul de um lago,
Sem tristeza, quem há que os olhos ponha?

Vendo-a, Senhora, vossa mente sonha
Talvez, que o conde de um palácio mago,
Loura fada perversa, em tredo afago,
Mudou nessa pernalta erma e tristonha.

Mas eu, que em prol da Luz do pétreo, denso
Do Ser ou do Não-Ser tento a escalada,
Qual morosa, tenaz, paciente lesma,
Ao vê-la assim, mirar-se n"água, penso
Ver a Dúvida humana debruçada
Sobre a angústia infinita de si mesma!


Biografia de Gilberto Amado

Gilberto Amado, jornalista, político, diplomata, poeta, ensaísta, cronista, romancista e memorialista, nasceu em Estância, SE, em 7 de maio de 1887, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 27 de agosto de 1969. Eleito em 3 de outubro de 1963 para a Cadeira n. 26, na sucessão de Ribeiro Couto, foi recebido em 29 de agosto de 1964, pelo acadêmico Alceu Amoroso Lima. Era o primeiro dos 14 filhos do casal Melchisedech Amado e Ana Amado. Fez os estudos primários em Itaporanga, também no interior do Sergipe. Depois estudou Farmácia na Bahia e diplomou-se pela Faculdade de Direito de Recife, da qual se tornou, ainda muito moço, catedrático de Direito Penal.

Em 1910, transferiu-se para o Rio de Janeiro, iniciando a sua colaboração na imprensa, no Jornal do Commercio com um estudo sobre Luís Delfino. Passou depois a ocupar uma coluna semanal, em O País. Em 1912, realizou sua primeira viagem à Europa assunto de um de seus livros de memórias e em 1913, como era então a moda, pronunciou, no salão nobre do Jornal do Commercio, a convite da Sociedade dos Homens de Letras, uma conferência em que fez o elogio do espírito contemplativo A chave de Salomão, que no ano seguinte, juntamente com outros escritos, seria publicada em livro.

Em 1915, foi eleito deputado federal por Sergipe. Sua atuação na Câmara se fez sentir, sobretudo, através de discursos que se tornaram famosos, como o que pronunciou na sessão de 11 de dezembro de 1916 sobre "As instituições políticas e o meio social no Brasil". Nos últimos anos da República Velha, exerceu mandato no Senado, até encerrar-se a sua carreira política, com a Revolução de 1930. Em 1931, chamou a atenção do país, e especialmente dos revolucionários de 30, vitoriosos mas indecisos, para problemas de direito político, como os sistemas representativos, a representação proporcional, o sufrágio universal. Depois de um curso de conferências sobre esses temas, publicou Eleição e representação (1932), de viva atualidade ainda hoje. Por essa época, voltou ao magistério superior, na Faculdade de Direito do Distrito Federal, iniciando um novo e fecundo período em sua vida, de estudos e trabalhos.

Em 1934, deu início ao que foi, desde então, a sua atividade permanente: a diplomacia. Foi nomeado consultor jurídico do Ministério das Relações Exteriores, sucedendo a Clóvis Beviláqua. Desse posto passou ao de embaixador, sendo a sua primeira missão junto ao governo do Chile (1936). De 1939 a 1947, foi ministro na Finlândia. A partir de 1948, tornou-se membro da Comissão de Direito Internacional da ONU, sediada em Genebra. Os arquivos do Itamarati guardam os numerosos relatórios, pareceres e teses de Gilberto Amado, documentos da sua contribuição ao estudo do Direito Internacional, durante o período de 28 anos em que integrou essa Comissão. Foi também delegado do Brasil a todas as sessões ordinárias da Assembléia Geral da ONU, desde as primeiras, realizadas ainda em Lake Success, logo depois da assinatura da Carta de São Francisco, até à última a que pôde comparecer, reunida em Nova York em 1968. São de sua autoria publicações que se encontram no Anuário das Nações Unidas, tais como: "Direitos e deveres dos Estados", "Definição da agressão", "Processo arbitral", "Reservas às Convenções multilaterais", e outras.

Afastado do Brasil em missões oficiais no exterior, Gilberto Amado aos poucos foi se tornando, entre nós, figura mítica. Periodicamente vinha ao Brasil, fazendo quase sempre coincidir sua permanência no Rio com o lançamento de um novo livro. Como toda figura mítica, tornou-se conhecido, sobretudo, pelas lendas e anedotas que circulavam a seu respeito, reproduzindo ditos espirituosos e atitudes inusitadas. A carreira de escritor seguiu sempre paralela à do político e do diplomata. Em 1917 publicou os versos de Suave ascensão, lírico intermezzo numa fase de intensas preocupações críticas, filosóficas, jurídicas e sociológicas, que se exprimem em sucessivos ensaios sobre problemas brasileiros. Em 1932, publicou Dança sobre o abismo, em que retorna ao ensaio literário, e, no ano seguinte, Dias e horas de vibração, crônicas de Paris. Surgiu como romancista, em 1941, com Inocentes e culpados e, no ano seguinte, com Os interesses da companhia. Em 1954 iniciou a publicação de sua memórias, com História da minha infância, a que se seguiram mais quatro volumes.

Obras: A chave de Salomão e outros escritos, ensaios (1914); A suave ascensão, poesia (1917); Grão de areia, ensaio (1919); Aparências e realidades, ensaio (1922); Eleição e representação, conferências (1932); Dança sobre o abismo, ensaio (1932); Espírito do nosso tempo, ensaio (1933); Dias e horas de vibração, crônicas (1933); Inocentes e culpados, romance (1941); Os interesses da companhia, romance (1942); Poesias (1954); Assis Chateaubriand, ensaio (1953).

MEMÓRIAS: História da minha infância (1954); Minha formação no Recife (1955); Mocidade no Rio e primeira viagem à Europa (1956); Presença na política (1958); Depois da política (1960).

Biografia feita pela Academia Brasileira de Letras: http://www.academia.org.br/
  Web site: clovisbarbosa.blogspot.com/2010/12/o-crime-de-gilberto-amado.html  Autor:   Acrísio Torres - clovisbarbosa.blogspot.com


  Mais notícias da seção HOMICIDIO no caderno ARQUIVO POLICIAL
26/05/2011 - HOMICIDIO - O Crime de Olímpio Campos
Monsenhor Olímpio Campos, senador por Sergipe...
26/05/2011 - HOMICIDIO - O Crime de Fausto Cardoso
Fausto Cardoso era um espírito singular, de extremos. Passava da arrogância desmedida, em provocar lutas, à doçura da clemência, em conceder perdões; do silêncio do gabinete, onde era filósofo, lançava-se ao tumulto da praça pública, onde era revolucionário....
17/02/2011 - HOMICIDIO - Crime da mala (1928)
Giuseppe Pistone e Maria Féa a bordo do navio Conte Biancamano...
17/02/2011 - HOMICIDIO - Caso Daniela Perez
Na tarde do dia 28 de dezembro, Daniella e Guilherme gravaram a cena do fim do romance de Yasmin e Bira, logo após a cena, o ator teve uma crise de choro e procurou inquieto por Daniella por diversas vezes no camarim, o que foi presenciado por camareiras do estúdio. Segundo as camareiras ele entregou a Daniella dois bilhetes mas a jovem se recusou ...
15/02/2011 - HOMICIDIO - Criminosos Fardados. Os Crimes que abalaram Sergipe
Na história dos crimes políticos, em Sergipe, ocorreu em 1907, em Nossa Senhora das Dores, um dos mais sangrentos. Um desses crimes hediondos, que definem uma situação, que envergonham um povo. Numa palavra, humilhantes para a civilização humana...
14/02/2011 - HOMICIDIO - A Morte do "Cara de Cavalo""
"Cara de Cavalo" era um bandidinho "pé de chinelo" que assaltava nos anos 60 pontos de jogo o bicho e pequenos comércios nas proximidades da antiga Favela do Esqueleto, onde hoje fica a UERJ....



Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS
Busca em

  
2101 Notícias


MEUS ARTIGOS
 

DROGAS

 

O CRACK DO OIAPOQUE AO CHUÍ

 

SEGURANÇA PUBLICA

 

Desarmar o povo é dar segurança aos marginais

 

DIVERSOS

 

APENAS UMA CARTA DE GRATIDÃO

 

DIVERSOS

 

O PROIBIDO REXSPY

 

DIVERSOS

 

O defunto que morreu duas vezes

 

DROGAS

 

O PODER SOBRENATURAL DO CRACK

 

DIVERSOS

 

UMA COMPARAÇÃO MITOLOGICA ENTRE OS AMORES DE ARES O DEUS DA GUERRA E LAMPIÃO O REI DO CANGAÇO

 

CRIMES SEXUAIS

 

O "ESTUPRADO"


CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS
 

DIVERSOS

 

Caso Carlinhos

 

HOMICIDIO

 

O Maniaco da Cruz

 

HOMICIDIO

 

Febrônio Índio do Brasil " O Filho da Luz

 

HOMICIDIO

 

o caso Andrei Chikatilo:

 

HOMICIDIO

 

O caso Ted Bundy:

 

DIVERSOS

 

Os casos de Charles Manson:

 

HOMICIDIO

 

Crimes eternamente insolúveis

 

HOMICIDIO

 

JACK O ESTRIPADOR (WHITECHAPPEL, LONDRES, INGLATERRA, 1888)


LIÇÕES DE VIDA
 

DIVERSOS

 

ABC da Cidadania

 

DIVERSOS

 

Professor saúda ABRAVIPRE e tradições libertárias do Ceará

 

DIVERSOS

 

Galinha Tonta

 

DIVERSOS

 

A morte de Josué de Castro no exílio


DESTAQUES
 

DIVERSOS

 

Meritíssimo

 

SEGURANÇA PUBLICA

 

Insegurança nossa de cada dia

 

JORNALISMO

 

85 anos da Independência: Ode ao Quatro de Outubro

 

DIVERSOS

 

Sustentabilidade que não é a Ambiental


DIREITO & JUSTIÇA
 

JUSTIÇA

 

O juiz, a imprensa, o mensalão

 

DIVERSOS

 

MEDIDAS PROTETIVAS DA LEI MARIA DA PENHA CONFERE CAPACIDADE POSTULATÓRIA À MULHER

 

DIVERSOS

 

O GIGANTE DESPERTOU E AGORA QUER ACESSO À JUSTIÇA

 

DIVERSOS

 

DIREITO PENAL E O TERROR DE ESTADO. EU VOU P"RÁ RUA, SIM!

 

DIVERSOS

 

Ex-senador Demóstenes Torres é denunciado por corrupção passiva pelo MP-GO

 

DIVERSOS

 

N O T A D E R E P Ú D I O


ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
 

SEGURANÇA PUBLICA

 

CRIMES DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, DE CONSTITUIÇÃO DE MILÍCIA PRIVADA E DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E PRISÃO TEMPORÁRIA : UMA LACUNA LEGAL

 

DIVERSOS

 

Peregrino, seu destino é caminhar

 

DIVERSOS

 

CRIME ORGANIZADO: NOVA LEI 12.850/13 E O PROBLEMA DA CONDUTA DOS AGENTES INFILTRADOS NO COMETIMENTO DE INFRAÇÕES PENAIS

 

DIVERSOS

 

As letras e a paz

 

DIVERSOS

 

O Advogado no universo jurídico

 

DIVERSOS

 

Presos e Esperança

 

DIVERSOS

 

A inesquecível Nova Acauan

 

DIVERSOS

 

Mídia será alvo das manifestações


CRIMINOSOS CRUEIS
 

DIVERSOS

 

Horror absoluto: o genocídio silencioso

 

HOMICIDIO

 

O perigo mora ao lado

 

DIVERSOS

 

Uma sociedade de matadores

 

HOMICIDIO

 

BELEZA MEDONHA

 

DIVERSOS

 

HITLER E A CRUZ JAÍNA OU SUÁSTICA

 

DIVERSOS

 

O MÉDIUM DO ANTICRISTO